Daniela Reis

Testemunho sobre "Os Índios da Meia Praia"

PT
A Editora Companhia das Letras pediu-me que escrevesse sobre a pintura escolhida para a capa do livro de Stênio Gardel, "A Palavra que Resta".

A reação do público foi fantástica e é maravilhoso ver o carinho que o livro e a minha pintura reuniram.

Fica aqui o depoimento original e o link da publicação no Instagram da Editora Companhia das Letras:

"A obra Os Índios da Meia Praia pede o título emprestado a uma música de Zeca Afonso e a um acontecimento na cidade de Lagos, no Algarve (Portugal). Na década de 50 muitos pescadores chegaram a essa cidade para trabalhar, mas como não havia habitações para os acolher tiveram de viver em cabanas de colmo nas dunas da praia. Quando se deu o 25 de Abril (a Revolução dos Cravos, 1974) restavam poucas cabanas e o bairro tinha-se transformado em barracas de zinco. Para melhorar as condições de habitabilidade, o  novo governo implementou as Operações SAAL dando o terreno, apoio técnico e dinheiro. As populações contribuíam com a mão-de-obra para a construção das suas próprias casas. Em Lagos as famílias organizaram-se por turnos: enquanto os homens iam pescar, as mulheres ficavam responsáveis pelas obras, todos ajudavam na construção de todas as casas, todos construíam um bem comum.

Esta pintura faz parte de uma série que se intitula "Os Construtores de Mundos" que reflete um desejo de fraternidade e de acção conjunta. Relembra o tempo da infância em que construímos castelos na areia até ao pôr do sol, em que colecionamos conchas de cores maravilhosas e listas de palavras que fazem cócegas na língua. Um tempo em que tudo é possível! As crianças da imagem são os meus filhos, numa tarde em que brincávamos numa praia com nome de outra música...a ilha do Pessegueiro.

As minhas pinturas geralmente têm várias histórias dentro de si  e contam-nas misturando-se com as histórias de quem as vê. Quando Stênio escolheu esta pintura para capa do seu livro, fiquei muito feliz: a minha história iria unir-se a outra."


ENG
The Publisher Companhia das Letras asked me to write about the painting chosen for the cover of Stênio Gardel's book, "A Palavra que Resta".
The public's reaction was fantastic and it is wonderful to see the affection that the book and my painting have brought together.

Here is the original text and the Instagram post from The Publisher Companhia das Letras:

"The work Os Índios da Meia Praia borrows the title of a song by Zeca Afonso and an event in the city of Lagos, in the Algarve (Portugal). In the 1950s, many fishermen arrived in this city to work, but as there were no dwellings to accommodate them, they had to live in thatched huts on the beach dunes. When the 25th of April (the Carnation Revolution, 1974) took place, there were few huts left and the neighborhood had been transformed into zinc shacks. housing conditions, the new government implemented SAAL Operations by giving the land, technical support and money. People contributed labor to the construction of their own homes. In Lagos, families organized themselves in shifts: while men went fishing, women were responsible for the works, everyone helped in the construction of all houses, everyone built a common good.

This painting is part of a series entitled "The World Builders" and which reflects a desire for fraternity and for joint action. It recalls the time of childhood when we built castles in the sand until sunset, when we collected shells of wonderful colors and lists of words that tickle the tongue. A time when anything is possible! The children in the image are my children, on an afternoon when we played on a beach named after another song ... the Pessegueiro island.
My paintings usually have several stories inside them and they tell them mixing with the stories of those who see them. When Stênio chose this painting for the cover of his book, I was very happy: my story would join with another."


crossmenuarrow-left